N royal Wake Park, Em Colombo, Você Pode Tentar Ser Um Surfista Por Um Dia, Independentemente Da Idade.

N Royal Wake Park, em Colombo, você pode tentar ser um surfista por um dia, independentemente da idade. Os pequenos também já podem brincar, não há idade mínima e os instrutores ensinam as noções básicas e avaliam se ela conseguirá se equilibrar. Mas, segundo o proprietário, Gustavo Reichert, crianças de cinco anos já brincaram no lago. Um diferencial é que os praticantes não são içados por lanchas, mas sim pelo sistema RoyalSystem 2.0. São duas torres posicionadas, uma frente a outra, nas extremidades de onde se deseja praticar, seja um lago, um rio ou mesmo uma piscina. Sobre as torres existe um sistema de roldanas de Pead, ligadas a um sistema de cabo de aço tracionados por um motor elétrico de 11Kw = 15hp. Esse impulso substitui a necessidade das lanchas, o que facilita a prática em superfícies menores, além de, segundo os criadores, ser ainda mais seguro. Reichert é um dos criadores do sistema e o fundador do local, que fica na chácara da sua família. Para marcar uma visita ao Royal Wake Park, é preciso ligar com antecedência e reservar um horário, já que apenas uma pessoa por vez pode usar o lago, por questões de segurança. No entanto, vale a pena combinar de ir com amigos, pois o valor da hora por pessoa é progressivamente menor quanto mais pessoas dividem e, para iniciantes, a hora completa pode ser muito exaustiva. O valor por pessoa se inicia em R$ 160 hora/individual (ou R$ 240 duas horas), e pode chegar a R$ 75 (R$ 85 duas horas) por indivíduo na hora compartilhada em quatro pessoas.

Assim, pode ser liberado imediatamente 16/02/2018 19:06 , atualizado em 16/02/2018 21:18 O ex-senador Gim Argello (PTB-DF) pode deixar o Complexo Médico Penal de Pinhais (PR) a qualquer momento. A progressão para o regime semiaberto ocorre após o político cumprir um sexto da pena. Ele foi preso na Operação Vitória de Pirro , 28ª fase da Lava Jato, em abril de 2016. Argello foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 19 anos de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça. Porém, em novembro de 2017, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre (RS), julgou o pedido de revisão da pena feito pelas defesas do parlamentar e de outros dois condenados: o ex-presidente da construtora OAS Léo Pinheiro e o ex-presidente da UTC Ricardo Ribeiro Pessoa.

curitiba